MEMÓRIAS DE 1932




Nas guerras e revoluções, o serviço voluntário na área de enfermagem é muito importante. A região de Ourinhos e adjacências foram palco de ações militares durante a Revolução de 1932, daí ter-se formado um grupo de senhoras e senhoritas voluntárias para o atendimento aos feridos.

"Depois, travou-se a luta armada, militarmente desigual, na qual se engajou como simples soldado raso, num batalhão que levava o seu nome impoluto, sob o comando do Cel. Pedro Dias de Campos, para combater o inimigo na Frente Sul, nas trincheiras de Ourinhos, Itahi, Fartura, Bernardino de Campos, Xavantes, Ipaussu e Noutras Localidades do setor do Paranapanema até a melancólica deposição do fuzil, em fins de setembro, coroado pelas agruras do cárcere, só amenizada pela calorosa solidariedade de seus colegas de Promotoria."


Trecho de biografia de Ibrahim de Almeida Nobre, por Emeric Lévay - Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo e Professor Titular de Direito Processual Penal da Universidade Presbiteriana Mackenzie e acadêmico da Academia Paulista de História.
Vemos aqui o grupo de voluntárias, juntamente com alguns soldados, posando para uma foto na "Casa do Soldado ", no antigo Rink de patinação.
Nos anos 1930, a patinação foi muito difundida em Ourinhos. Meu pai foi um ás dessa modalidade.
Seria bom identificar as pessoas que estão nesse grupo. A foto que tenho não traz nomes. Das senhoras e senhoritas, a quinta, na fileira de trás, da esquerda para a direita, com certeza é uma das jovens Zaki Abucham.
Provavelmente esteja nessa foto a professora Adelaide Pedroso Racannello, grande educadora que alfabetizou inúmeros Ourinhenses, eu inclusive (foi minha professora no 1º ano, no Grupo Escolar Jacinto Ferreira de Sá). Na época, as melhores professoras eram disputadíssimas. Em minha casa, foi motivo de muita alegria eu ter ficado na classe da professora Adelaide.
Nascida em São Roque, veio para Ourinhos em 1925 juntamente com sua família. Eram vários irmãos e irmãs, muitos dos quais dedicados à educação. Casou com Graciano Racanello, comerciante, proprietário na época da famosa "Casa das Foices". Tiveram um filho, o drº Alston Pedroso Racanello, já falecido.
Foto: Arquivo de Francisco Almeida Lopes

Comentários

FernandoRabelo disse…
Prezado José Carlos,

Você teria mais informações sobre a patinação em Ourinhos?