O TIME DOS GORDOS



Essa é uma foto interessante, tendo como cenário o campo do Ourinhense. A quase totalidade dos rostos me é familiar e povoou a minha infância.
Foto por Francisco de Almeida Lopes

Comentários

Jayme Zaparoli disse…
José Carlos,

O sexto jogador que aparece na foto, da esquerda para a direita, é o Otávio Cristoni, que durante muito tempo foi Inspetor de Alunos do Colégio "Horacio Soares" de Ourinhos. Era irmão do Braz Cristoni que, na década de 50 ou 60, não me recordo bem, eleito vereador, faleceu numa das sessoes da Câmara Municipal, quando discursava, vítima de ataque cardíaco. A família Cristoni, ligada também à fundação da Igreja Metodista local - situada na rua São Paulo, foi uma das pioneiras na história de Ourinhos. Hoje, inclusive, há, na cidade, a Vila Cristoni, situada em área que anteriormente fazia parte da propriedade rural da família.
Obrigado, Jayme. Esse é um dos rostos que me pareceu bastante familiar . Lembro-me bem dele pois era inspetor de alunos no meu tempo e padeci bastante em suas mãos.
O terceiro, da direita para a esquerda é um dos Ferrari, creio e o quarto deve ser o Moupir Brizola, irmão dos ex-prefeito.
Wilson Monteiro disse…
O quarto,da esquerda para a direita é o pai do Rubens Uliana,cujo nome me escapa neste momento.E o sexto se não me engano é o Angelo Cristoni.
Sim, creio ser o Alberto Uliana.
José Carlos
Anônimo disse…
O oitavo da esquerda para a direita é o Armando de Oliveira,"Bigota" um dos fundadores do Ourinhense.
O primeiro na ponta, ao lado do Capatto é meu tio Chicão,irmão de minha mãe. Ele tinha a Garage Chicão, que mais tarde abrigou a retífica do Clovis, na Rua Expedicionário,a primeira esquina abaixo da Jacinto Sá. Foi um dos baluartes na construção do estádio do Clube Atlético Ourinhense, num trabalho conjunto com o Esper Cury. O sexto, a partir dalí, é o Cristoni, tio do Ari Toledo.O décimo, é o Moupir Brisola, irmão do pecuarista Oswaldo Brisola. O décimo-primeiro, é o Ivo Ferrari, da Pinga Oncinha. É o irmão mais velho da família. Os outros são Ivo e Nilo(não sei se ainda vivos). Não sei se é do seu conhecimento.O Daniel Leirião foi um dos maiores zagueiros , atuando pelo Ourinhense.

Até mais

Chiquinho
Anônimo disse…
Hulasdemir Bertagnoli identificou:
1-Chicão - dono de posto de combustíveis na duque de Caxias, esquina com a rua Pará - hoje agencia da Ford;
2- Capatto
3-Rufino, antigo gerente da drogasil;
4-Alberto Uliana dono de vulcanização na rua Paraná;
5- era um motorista da Gulf - hoje Ipiranga;
6-Braz Christoni
7-Daniel Leirião, ao contrário do Chiquinho, diz Bertagnolli que Daniel
era um barbeiro ao lado da antiga Matriz, depois local do banco mercantil e hoje loja de eletrodomésticos;
8-Bigota, dono de posto de combustiveis na saida para o Paraná, próximo à ponte Melo Peixoto;
9- pessoa ligada a um funcionário do fórum local - oficial de justiça;
10-Moupir Brizola;
11-Ivo Ferrari
12-Ludgero Contrucci, dono do bar da estação de estrada de ferro;
13-Paulo Toledo, irmão de criação de Ari Toledo - o pai, víuvo e com um filho (Paulo) casou-se com a mãe de Ari, também viúva;
14-Hermelindo Brochini, sobrinho do João Garbim.

Carlos Lopes Baía
Anônimo disse…
14- Por um engano talvez do Hula, o ultimo, na realidade não é o Hermelindo, mas seu irmão Arnaldo Brochini.
Daniel Leirião era barbeiro em frente à praça Melo Peixoto antes de se transferir para a rua Paraná.
Além do Hula que foi contemporâneo desse pessoal (tem 70 anos agora), outras pessoas foram consultadas, como o professor Norival, Elvecio Tupiná Lima, Landulfino Landulfo, Benedito de Souza (Santinho).
Anônimo disse…
Como professor de História, gosto de ver as fotos que podem servir como documentos
Conheci muitos desses gordos embora não tivesse qualquer relacionamento com eles.
Consegui encontrar alguem que soube reconhecer o 5o. da esquerda para a direita. Servilio, antigo mecânico e jogador de futebol do E.C. Operário, reconheceu o atleta como sendo um mecânico chamado ISRAEL.

Carlos.
Ainda o time dos gordos: Praticamente, reconheci a todos. A figurinha mais
especial era o Bigota. Um bom humor extraordinário, vivia rindo e contando
piadas. O Braz Christoni era homem de confiança dos irmãos Raul e Luiz
Silva, agentes Ford, e tios do Demerval, marido da Selma. Braz era motorista
por profissão e o encarregado de ir buscar carros novos em São Paulo, para
a Ford. Era tio do Ari Toledo.O Daniel Leirião foi um dos melhores zagueiros
que o Ourinhense teve. Quando aposentado do futebol, abriu um bar em frente
a Casa Toni, onde sua mulher, Joana, fritava uma linguicinha deliciosa para
acompanhar as caipirinhas com limão galego, verdadeiras jóias etílicas. Ali
se encontravam, diariamente, desde um operário até comerciantes e também
um médico, o Hélio Migliari, o primeiro filho de Ourinhos a formar-se em
medicina. Era ali que os torcedores de Ourinhense comemoravam as vitórias.
Ivo Ferrari, o irmão mais velho dos Ferrari (Lino e Nilo). O Ludgero
Contrucci, que era dono de um bar na Ferroviária e pai do meu colega de
escola, Luizinho, e pai de uma linda menina que mais tarde se casara com meu
amigo Athos Logulo. E assim por diante, conheci a todos.

Quanto a primeira turma do Ginásio de Ourinhos: Lembro-me muito bem da
Alice e sua irmã Anezia Teixeira. Eram filhas do Manoel Teixei ra, dono da
única torrefação de café da cidade. Tive seu irmão Milton como colega de
ginásio, lá pela terceira ou quarta turma da escola. O Tom Soares, filho
mais velho do ex-prefeito Horácio Soares. Seu primo, Oswaldinho Deviene,
filho mais velho do seu tio Carlos. Terezinha Galvão, que formou-se em
Magistério e mais tarde casou-se com o Pelegrino Bruno, um dos donos do Bar
Central, antes de este ser passado para as mãos dos irmãos Fenley, o Nabuco
e o Pléas (que casou-se com a Alicinha Teixeira). Bruno foi meu colega de
serviço na Gulf, onde mais tarde também trabalhou o Nabuco. Eu e o Bruno
éramos vendedores comerciais da empresa, e o Nabuco vendedor industrial,
isto pelos anos 54 até 56.
Francisco Soares