26.4.14

OUTUBRO DE 1949 - A FUNDAÇÃO DO CINE CLUBE E A INAUGURAÇÃO DO MARCO ZERO

Na edição de 12-10-1949, o semanário "A Voz do Povo" publicava:

"CINE CLUBE DE OURINHOS 
CENTRO DE ESTUDOS CINEMATOGRÁFICOS
Foi fundado a 12 do corrente o centro de estudos ci­nematográficos de Ourinhos, em reunião realizada no Grê­mio Recreativo desta cidade."

Faziam parte de sua Diretoria :
Presidente,  Dr. Antonio Gomes Pereira ; 
Vice-Presidente, José Camerlingo; 
l.o Secreta­rio, Agostinho Nunes de Abreu; 
2 .0 Secretario, Teresinha Menezes ; 
Tesoureiro, Paulino dos Santos;
 Diretor de Curso, José Pelegrini;
 Bi­bliotecário, Maria Lara Rodrigues,
 Diretor de Fílmoteca, Beibe Feirer; 
Conselho Fiscal, Benedito Monteiro, Eduardo Costa Galvão e Nel­son Pontara.
Abrindo a sessão o presidente do Centro falou sobre as finalidades da instituição. Também fizeram uso da palavra José Camerlingo e Beibe Ferer, "sugerindo idéias sobre o alcance da iniciativa".

Eu me recordo de, ainda criança,  ter ido a esse Cine Clube, muito provavelmente organizado nos moldes do existente na capital - o famoso Cine Clube Bandeirantes. Pela lembrança que ainda mantenho, acredito que a instituição tenha sobrevivido até o início dos anos 1960.  Dentre os fundadores conheci José Camerlingo (Juca), irmão de Domingos Camerlingo Caló, que foi casado com a profª Nadir Bueno, muito amiga de minha mãe; lembro-me de Paulino dos Santos, proprietário de uma grande casa de tintas na Rua Paraná;  Benedito Monteiro, casado com uma prima de meu pai, Tomires Deviene, foi o contador da São Paulo Paraná e vereador por duas legislaturas.
Em sua fala, o presidente do clube arrolou  alguns itens importantes do trabalho a que se propunham os fundadores:

Ao entrarmos para o campo da cinematografia devemos considerar o seguinte:
a) — No interesse próprio teremos mais cultura e mais possibilidades econômicas;
b) — Ourinhos possuirá o privilégio de ser talvez a pri­meira cidade do interior pau­lista e brasileiro a romper as resistências que militam em contrário da cinematografia 
nacional ; 
c) — Iremos ajudar o nosso país a economizar divisas, pois 
que a soma que o Brasil dispende com direitos de exibição 
de filmes estrangeiros, é enorme.
Como fazer cinema requer conhecimentos especializados, vamos fundar o nosso centro cultural de cinematográficos. 
Estudando a Sétima Arte, chegaremos a produzir filmes de longa metragem.Os recursos materiais e hu­manos necessários, darão ca­racterísticas do ambiente cultural adquirido no nosso centro."
Sem dúvida, um programa  muito interessante e ousado.

No dia 22 de outubro, o Rotary Clube de Ourinhos comemorava 9 anos e festividades foram realizadas. No dia do aniversário,  houve uma reunião extraordinária com o comparecimento  de autoridades da cidade, de rotarianos locais  e de rotarianos das cidades vizinhas. 
"Encerrando a reunião, falou o Dr. Júlio dos Santos, que agradeceu o comparecimento de todos os presentes, agradeceu as homenagens recebidas, e convidou os presentes para assistirem, no dia seguinte, ás 10 horas, na Praça Melo Peixoto, à inaugu­ração do Marco Zero, dádiva do Rotary à cidade de Ouri­nhos, e ao plantio de uma mu­da de Pau Brasil." 
 Foto da inauguração do Marco Zero por Shuki Sakai.
Da esquerda par a direita são reconhecidos o profº Dalton Morato Villas Boas, diretor do Grupo Escola Virgínia Ramalho, Benedito Monteiro, vereador, Celestino Bório, diretor da Rádio Clube de Ourinhos, Luiz Golin, proprietário da Churrascaria Gaúcha, o casal drº Antonio Luiz da Costa- Anita Beltrami e a filha Marilena, Tufy Saki Abucham, drº Júlio dos Santos, o prefeito Cândido Barbosa Filho, Filemon de Melo Sá, Armando d'Andrea e  Celestino Bório, diretor da Rádio Clube de Ourinhos

Foto do Marco Zero, no centro da Praça Melo  Peixoto, por Francisco de Almeida Lopes

A inauguração do Marco Zero ocorreu na manhã do dia 23-1o, "discursando, nessa ocasião, o Dr. Júlio dos Santos, presi­dente do Rotary. Agradecendo em o nome da municipalidade, a oferta do Rotary,  falou o Dr. Salem Abujamra. Em seguida, se procedeu ao plantio do Pau Brasil. Várias fotografias foram batidas, quer na inaugura­ção do Marco Zero, quer no plantio do Pau Brasil, pelo hábil artista Sakai, desta cida­de."

No final dos anos 1950, uma remodelação da Praça Melo Peixoto retirou o monumento do lugar que ocupava, removeu suas  laterais e a base e afundou o corpo até mais ou menos a altura da placa comemorativa.
A reforma realizada há cerca de dois anos, instalou o corpo do monumento  mais ou menos na posição em que se encontrava originariamente.   
Já o Pau Brasil teve menos sorte ainda. Se não morreu alguns anos depois, pois eu não me lembro dessa árvore na praça, não sobreviveu ao corte da maioria das árvores quando da reforma dos anos 1950.

12.4.14

FIORI GIGLIOTI (1928-2006)



Na foto, vemos Giglioti falando para a rádio local tendo à direita o repórter Dirceu Bento da Silva. Logo atrás de Fiori vemos o correspondente da Rádio Bandeirantes em Ourinhos, o conhecidíssimo "João Peixeiro" e o ex-prefeito Antônio Luiz Ferreira.

O famoso locutor esportivo,  que narrou dez copas do mundo, acabou falecendo na véspera de uma delas, a de 2006.
Trabalhou em várias rádios paulistas, fazendo  uma longa carreira na Rádio Bandeirantes. Foi o autor de frases notáveis durantes as suas narrativas, e que entraram para a história do futebol brasileiro :
 “Um beijo no seu coração”, “O tempo passa”,  “Uma beleza de gol!” , “Tenta passar, mas não passa!”, "Agora não adianta chorar" ,  "Torcida brasileira",  “Crepúsculo de jogo”, “Aguenta coração!”, “Uma beleza de gol!”,  “Um beijo no seu coração”.
A foto que ilustra esta coluna é a de uma visita de Fiori a Ourinhos, assunto que já foi objeto de dois bons artigos de meu colega César Resta (Nato) neste jornal.
Conforme noticiou  o jornal "O Progresso de Ourinhos", de 15-11-1965, a cidade recebeu componentes da equipe esportiva da Rádio Bandeirantes. A equipe foi recepcionada no Clube Balneário Diacuí, tendo discursado em saudação, o professor Norival Vieira da Silva. Agradecendo, discursou Fiori Giglioti.
O grupo percorreu as ruas da cidade numa passeata de carros. Visitaram as dependências da CTO, ocasião em que discursou o jornalista Miguel Farah.
Visitaram também a 2ª Feira de Ciências do IEHS, que recebeu na ocasião aproximadamente 15.000 visitas
Foi-lhe oferecido um coquetel no GRO
À noite no CAO houve uma partida entre os veteranos do clube  e o time do "Scratch do rádio", partida vencida pelos veteranos com o placar  de 6 x 1. Às 23h30,  foi-lhes oferecido um jantar no Restaurante Ipê, que prolongou-se até as 4 horas da manhã. 

Nesta foto vemos João Peixeiro à esquerda,  Fiori, ÊnioRodrigues, Dirceu Bento e Oswaldo Egídio Brizola, vice prefeito à época.


Belas lembranças desse fato tão importante que um fotógrafo registrou.




5.4.14

OURINHOS NO ALVORECER DOS ANOS 1930

No alvorecer dos anos 1930, o Município de Ourinhos segundo artigo de J.B. Guerreiro, contava com cerca de 15.000 habitantes, dos quais por volta de 3.500 moravam na cidade. 


Surpresa das surpresas, com essa população pequena a cidade tinha três clubes de futebol: O mais antigo creio,  Esporte Clube Operário, os recém criados Aurora Futebol Clube e Clube Atlético Ourinhense

Para dirigir o "Operário" haviam sido eleitos em assembléia geral de 1931:

Presidente: Hermenegildo Zanotto
Vice-Presidente: Chede Jorge
1. Secretario : Luiz Zanotto
2. Secretario : Altamiro Pinheiro
1. Thezoureiro : Humberto Detogni
2. Thezoureiro: Antonio Carlos Mori
Director Geral ! Lazaro dos Santos
Orador Official: Prof. Joaquim Pedroso Filho
Conselho Fiscal : Manoel Teixeira, João Du­arte Medeiros e Oswaldo Pareto Torres
Director Esportivo : Américo de Carvalho
1. Capitão : Leontino Ferreira
2. Capitão : José Rezende Gomes

A diretoria do "Aurora", eleita em 1931,  era composta por: 

Presidente: Sebastião Jorge Mo­raes;
Vice-presidente; Moacyr Teixeira;
 1 .o Secretario: Oswaldo Vieira
2.o Secretario: Jorge Ribeiro;
Thesoureiro: Ataliba Nascimento;
Director-esportivo Humberto Mori;
 Commissão de syndicancia: José Beltrami, Pe­dro Martins e Alfredo Gonçalves

E o novo clube, fundado em julho de 1931, Clube Atlético Ourinhense , conforme notícia publicada na edição de 5-7-1931 de "A Voz do Povo":

NOVO CLUBE
Por deliberação de diver­sas pessôas desta localida­de, procedeu-se a uma reu­nião afim de fundar um no­vo Clube para a pratica do futebol.
Nessa reunião foi escolhido o nome do Clube, o qual passará a chamar-se “CLUBE ATHLETICO OURINHENSE“.
Igualmente realisou-se a eleição da Directoria do novel Clube a qual está assim constituída: 
 Presidente: sr. Ítalo Ferrari
Vice-Presi­dente: Carlos Devienne
1.0 Secretario: sr. José Borges de Faria
2.o Secretarie: João Lauro de Campos
3.o Secretario: Evilasio Vianna
 l.o Thesoureiro: Donato Sassi
2.o Thesoureiro: sr. João Crivellari
3.o Thesoureiro; Antonio Nicomedes Peixe
l.o Director Geral sr. Edison Leonis
2.o Director Geral: Antonio Ferraz
l.o Director Esportivo; sr. Aristides Vianna
2.o Director Es­portivo; sr. Pedro Carrara 
Conselho Fiscal; srs. Julio Móri, Marcos Trench, Adriano Braz e Francisco  Vara
Commissão de Syndicancia: srs. Joaquim Benatto, Alberto Motta e Antonio Saladini 

A anotação feita por meu pai nesta foto do seu acervo a indicava como a primeira diretoria do CAO. A presença de algumas pessoas que não constam da indicação acima deixa-me em dúvida.


Primeira fileira: em pé João Batista Crivelari, sentados Mário Mori, Miguel Cury, Júlio Mori, Ítalo Ferrari - Antonio Saladini, Antônio Dias Ferraz; atrás em pé: Evilasio Viana - Antonio Carlos Mori, Benedito Monteiro, Edison Leonis, Carlos Deviene e Vasco Fernandes Grillo. 


Nas páginas do semanário "A Voz do Povo" encontramos em 1931 alguns fatos interessantes e engraçados:

Casamento
Senhor viuvo, respeitável, intelligente, com 35 annos de idade, deseja casar-se com senhorita ou senhora viuva,
cuja idade esteja entre  20 e 35 annos.
O pretendente pede ás que se quizerem candidatar a tal
casamento, enviarem suas photographias ou escreverem
ao «Senhor Viuvo», aos cui­dados da redacção d” A Voz
do Povo ”

O viúvo terá sido feliz na busca?





Cuidado com a vaca
No dia 17, na VILLA NOVA, em frente á residencia do sr. Manoel Pires, uma vacca brava investiu contra a sra. d. Deolinda Cruz, esposa do sr. Joaquim Cruz, produzindo-lhe ferimentos de pouca gravidade.
A victima foi medicada na "Casa de Saude", pelo dr. Hermelino Leão.


O Dr. Prefeito Municipal tratando do embellezamento urbano, mandou plantar diversas mudas de arvores, nas principaes ruas e ave­nidas.
Acontece, porem, que em dias desta semana, foram encontradas diversas mudas quebradas.
São por certo, espíritos malfeitores que  vêm prati­cando tão reprováveis ac­ções.
Ao povo compete zelar pelo desenvolvimenlo des­sas plantas, que irão mais tarde enfeitar nossa cidade.
Urge providencias enér­gicas para que taes actos não se repitam.