Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2014

PROFESSOR JOSÉ MARIA PASCHOALICK, PREFEITO DE OURINHOS

Nesta foto, Paschoalick está à direita,  no novo coreto da Praça Melo Peixoto.
Autoria: Francisco de Almeida Lopes.
A aluna Marisa Ferreira Batista, tendo ao seu lado o pai Antonio Ferreira Batista (gerente do Banespa) recebe o diploma do curso primário, em dezembro de 1954, das mãos do diretor José Maria Paschoalick.
Outro flagrante da entrega do diploma a Marisa, no qual se vê à esquerda a profª Dalila S. Souza. 

Desde criança, guardo simpatia para com o prefeito José Maria Paschoalick (1956-1959). Quais seriam as razões? Talvez porque tenha sido de suas mãos que recebi o meu diploma do curso primário,  realizado no Grupo Escolar Jacinto Ferreira de Sá (1958). Muitos anos depois, os problemas que enfrentou logo após o golpe de 1964 (chegou a ser aposentado compulsoriamente como professor da rede estadual) devem ter contribuído também para isso. Ele foi professor e diretor do Grupo Escolar Jacinto ferreira de Sá´("Grupão"). Sua vinda para Ourinhos deve ter ocorrido em finais do…

JOÃO GARBIM E O TEATRO EM OURINHOS

Vemos na foto João Garbim e a esposa Hermínia em baile carnavelesco no Grêmio Recreativo de Ourinhos. Foto do Acervo de Wilson Monteiro.
A respeito de João Garbim sabíamos  de seu dom como escultor, sendo  fabricante de artefatos de cimento, cujo estabelecimento, com residência na frente,  ficava na Rua São Paulo, onde hoje se encontra a Biblioteca Municipal.
Tendo nascido e sido criado na Rua 9 de Julho, era comum para mim passar pela rua São Paulo naquele trecho.
Lembro-me bem da residência da família que tinha uma vasta varanda na frente. Ao lado, na entrada da fábrica,  encantavam-me os belos anões de cimento que lá se achavam.
A qualidade da sua produção ceramista  pode ser comprovada por qualquer um que adentre a Catedral de Ourinhos e observe o piso que lá se encontra, firme e bonito, há mais de sessenta anos. 
Segundo Maria Aurora Brochini Ortela, sua sobrinha:

Meu pai Hermelindo e meu tio Arnaldo Brochini.....sobrinhos do João Garbim....quem fazia as esculturas era meu pai Hermelin…

MARJORY MORTON E MARIA REMÉDIOS RIBEIRO GABRIOTI

O engenheiro inglês, Wallace Morton,  veio para Ourinhos em 1929 a fim de exercer o cargo de engenheiro ajudante da Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná, uma empresa de capital inglês. Em 1932, ele assumiu a superintendência da ferrovia em substituição ao engenheiro Hamilton, que havia pedido demissão por questões de saúde. Exerceu esse cargo até 1944, quando a ferrovia foi encampada pelo governo federal, passando a integrar a Rede de Viação Paraná-Santa Catarina. Sua esposa chamava-se Marjory. Em 1940, nasceu a filha do casal,  Rosemary Morton. Maria Remédios era filha de um português chamado Anastácio Ribeiro,  primo de uma das pastorinhas que presenciara a aparição da "Virgem" em Fátima. A mãe de Maria  era Dolores Robles Godoy, filha de espanhóis. Robles é um antiga família ourinhense de origem espanhola. Com a morte do pai, quando tinha apenas seis anos, a menina, segundo a filha Maria Aparecida Gabrioti Pires de Oliveira, "começou uma vida difícil de trabalho em ca…

ORLANDO ALBANO

Orlando faleceu dia 26-7 aos 89 anos de idade. Era casado com Olenka Volpini.  A  família Albano é uma das mais antigas de Ourinhos. 


Orlando e a esposa Olenka

Orlando e tias: Maria,  Filomena, Vilma, Concheta e Helena.
Minha mãe contava que seu vestido de noiva (1943) fora confeccionado por dona Maria Petroline, uma das tias dos Albano,  "costureira de mão cheia", a  qual cheguei a conhecer tal qual está na foto abaixo.
Maria Petroline
Orlando começou a trabalhar ainda adolescente na Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná, onde já era funcionário seu irmão mais velho Alberico, (Bio). Lá foi colega de meu tio Antônio Neves.
Orlando é o segundo à direita em pé, com os colegas da São Paulo-Paraná.
Quando a ferrovia foi encampada pelo governo federal em 1944,  Bio, Orlando e  Toninho Neves foram trabalhar na empresa "Moinho Santista", depois Sanbra.
Quando meu pai foi registrar o meu nascimento, encontrou Orlando e Antoninho no "Jardim" e pediu-lhes que servissem de …