13.7.14

A INAUGURAÇÃO DA NOVA PRAÇA MELO PEIXOTO, EM 23-6-1958

Edição de foto de Cartão Postal Colombo (1958)

A inauguração da nova Praça Melo Peixoto, em 22 de junho de 1958,  foi noticiada com muita ironia pelo mais recente jornal da cidade, o Diário da Sorocabana, que fazia oposição à gestão do prefeito José Maria Paschoalick. As obras duraram dez meses.
24-6-1958


"Na festa noturna, ou inauguração propriamente dita da praça Melo Peixo­to foram queimadas 21 caixas de fogos (também pagas com dinheiro da prefeitura). Paschoalick aproveitou alguns números preparados pela colônia colônia japonesa para a festa do cinquentenário da imigração nipônica (.....)."
(Fonte: http://www.tertulianadocs.com.br/)
Paschoalick havia concorrido  pelo Partido Social Progressista, criado por Ademar de Barros. 
 A praça ficou repleta de pessoas que desejavam admirar a tão esperada fonte luminosa, em moda na época. 
Foram substituídos todos os bancos; os novos não tinham encosto. Também foram trocados os postes de ferro trabalhado. A praça ganhava um "espaço cívico" em frente ao novo coreto.


Foto por Francisco de Almeida Lopes

 Paschoalick discursa no coreto. Ao seu lado esquerdo o Juiz de Direito Windsor Antonio Rosa dos Santos e à direita o Promotor Público Antonio Benedito Prado Bastos


O governador Ademar de Barros não compareceu, sendo representado por  Cantídio Sampaio e Geraldo de Barros.
Às 13 horas, foi oferecido um almoço para as autoridades no Grande Hotel. 
Também foram visitadas as novas obras da prefeitura na cidade, inclusive o novo Ginásio de Esportes , o "Monstrinho".

Tomada logo após a inauguração. No canto direito aparece o prédio do Banco Comercial com a cor verde original, antes de uma reforma que o desfigurou.
Foto por Francisco de Almeida Lopes:original em slide revelada em positivo.

O LIONS CLUBE DE OURINHOS

O fundador do Lions Clube Internacional foi o empresário americano Melvin Jones. O primeiro Lions Clube foi criado em 1917.


No Brasil, o leonismo foi introduzido em 1952, com a criação do Lions Clube do Rio de Janeiro.
O Lions Clube tem  por objetivo:
"Organizar, constituir e supervisionar clubes de serviço que serão conhecidos como Lions Clubes.
Coordenar as atividades e uniformizar a administração dos Lions clubes.
CRIAR e fomentar um espírito de compreensão entre os povos da Terra.
INCENTIVAR os princípios do bom governo e da boa cidadania.
INTERESSAR-SE ativamente, pelo bem-estar cívico, cultural, social e moral da comunidade.
UNIR os clubes pelos laços de amizade, bom companheirismo e compreensão mútua .
PROMOVER um fórum para a livre discussão de todos os assuntos de interesse público, excetuando-se, entretanto, o partidarismo político e o sectarismo religioso, que não serão debatidos pelos associados no clube.
INCENTIVAR as pessoas bem intencionadas a servir a suas comunidades sem benefício financeiro, estimular a eficiência e promover elevados padrões éticos no comércio, na indústria, nas profissões, nos serviços públicos e nos empreendimentos particulares.'
(Fonte: http://www.lions.org.br/nacional/objetivos.html)
O Lions Clube de Ourinhos, fundado em 1954, elegia em 1958, uma nova diretoria.
A edição de 29-6-1958 do jornal "Diário da Sorocabana" noticiou a eleição  realizada no dia anterior.
A diretoria do Lions  assim ficou constituída:
"Diretor - Plínio de Aparecido de Barros
1º vice Presidente - Antonio Ferreira Batista
2º vice presidente - Esperidião Cury
3º vice presidente - Edson Cantadori
Secretário -  Mário Brandimarte
1º secretário - Alston Pedroso Racanello
Tesoureiro - Francisco de Oliveira e Silva
1º tesoureiro - Valfred Kaschel
Diretor social - Celestino Borio Júnior
Diretor animador - Ortesio Pereira da Silva
Diretores vogais - José Camerlingo, Renato Luiz Ferreira, Salim Said Haddad e Walter Ferreira"

Após a eleição seguiu-se um banquete, do qual vemos um detalhe na foto.
À direita Antonio Ferreira Batista e as filhas Marisa e Marli.



O casal Olívia e Antonio Ferreira Batista e as filhas no "Bailes das Flores", promovido pelo Lions Clube no Grêmio Recreativo de Ourinhos, 27-10-1956





Na foto abaixo,  vemos algumas domadoras (esposas dos leoninos) e filhas  no coquetel que antecedeu à posse da nova diretoria em 1958:
Da esquerda para a direita: (1) Olívia Ferreira Batista, (2) Ivete Bastos (3) Marisa Ferreira Batista, (4) Marli Ferreira Batista. À direita (2 ) Nair Bacci Cury





Na foto abaixo, domadoras num piquenique.
Da esquerda para a direita: (1) Ivete Bastos, (2) Mary de Oliveira e Silva, (3) Alcinda Vialle Ferreira, (4)Olívia Ferreira Batista.  






5.7.14

O PRIMEIRO MÊS DE REVOLUÇÃO EM OURINHOS - 1932, POR CONSTANTINO MOLINA

No Acervo TertulianaDocs - Memória em Movimento (http://www.tertuliana.com.br)  há um documento denominado "1º Mês de Revolução em Ourinhos" - 1932. Ele é de autoria do professor Constantino A. Molina, que foi o primeiro proprietário do Externato Rui Barbosa (ele o vendeu no final dos anos 1940, para o professor Aparecido Lemos). Essa escola particular foi a primeira a oferecer o ensino secundário, sob a forma propedêutica, em Ourinhos.
Os alunos (as), ao final do ano, iam para São Paulo, onde submetiam-se a exames de avaliação. Eram também oferecidos:  Curso Comercial, de Datilografia e de preparação para exames). 
Em 1937, um grupo de alunos fez esses exames na Faculdade Comercial Brasil, em São Paulo. A nota mais alta entre as alunas foi 8, obtida por Rosa Fragão, Ivone Pierotti e Amélia Neves. A mais alta entre os alunos foi 7, obtida por José Fernandes, Hermínio Nogueira e Jairo Diniz.
A escola localizava-se na Avenida Altino Arantes, onde hoje é o prédio da CEF.
"A Voz do Povo", 24-5-1931
Externato Ruy Barbosa
"Resultado do segundo exame bimensal de março e abril. Curso Comercial: 1º lugar, João Neves, com 100 pontos; 2º, Abripino Braz, com 91 pontos; 3º Orlando Vendramini, com 87 pontos; 4º José Neves Neto, com 78 pontos...."  

O professor Molina era colaborador de "A Voz do Povo", escrevendo muitos artigos sobre os mais diversos assuntos.

A publicação citada é muito importante pelo relato que faz sobre o desenrolar inicial do movimento em Ourinhos e região, ao longo de 25 páginas com muitas ilustrações . Ao final da obra depreendemos que haveria uma segunda parte, cuja existência desconhecemos.

 As organizadoras do "Café Soldado", da esquerda para a direita Alzira Santos Pereira, Chiquinha Mano Filho, Emilina Sassi, Emília Tocalino e Alzira Nicolosi.
O "Batalhão Teopompo" em frente a Igreja Matriz após missa campal.