18.5.14

O CINE CASSINO NOS ANOS 1920


Clique sobre a imagem.


Por incrível que pareça Ourinhos possuía dois cinemas em 1927: o Cine Central e o Cine Cassino.
O "Central", segundo Jefferson Del Rios pertencia à família de Francisco Lourenço, um dos primeiros moradores de Ourinhos. A sala ficava na Avenida Altino Arantes.
Essa sala de espetáculos, conforme informação do drº Lauro Migliari a Eitor Martins, teria sido fundada por seu pai, Narciso Migliari, com o nome de Cine Tizim, o apelido de Narciso. Posteriormente foi vendido a Francisco Lourenço.
Já o Cine Cassino foi fundado por Álvaro Rolim, que cheguei a conhecer. Álvaro Rolim foi também coletor. A sala foi vendida posteriormente a Emílio Pedutti, empresário de Botucatu, que construiu o Cine Ourinhos em 1944, fechando  então o  antigo Cassino.
A primeira sala do Cine Cassino era totalmente de madeira, como pode ser visto na foto.
Meu pai, que veio para Ourinhos em 1924 e era um aficionado por cinema, contava que  a tela tinha que receber um banho d'água para evitar a sua combustão pelo calor excessivo.
Nos anos 1930, no mesmo local, a atual Rua São Paulo, quase esquina com Expedicionário (antiga Piauí), foi construído um prédio de alvenaria. Esse prédio tinha  platéia e  frisas.  

"A Voz do Povo, 19-5-1927
CINE-CASINO
No Casino será exhibido,
hoje, um magnífico film, que deixará gratas
recordações.
Para   domingo estão annunciadosbon s films.
CENTRAL
Hoje, no Cine-Central, será apresentado um film
 que, certamente agradará a todos.
Sabbado e domingo bons programmas serão

apresentados."
A  VOZ DO POVO, 24-12-1933
"CINE CASINO
HOJE - será exhibido  o extraordinário film:
Collegas de Bordo  
com Robert Montgomery e Dorothy Jordan
QUINTA FEIRA - Soirée das Moças - DOROTHY 
JORDAN e PAUL LUKAS no drama em 8 partes:
Celibatário Carinhoso (1931)
Dia I o. — ANNO NOVO 
Madame Prefeito (1931)
uma gozadissima comedia com Mary Dreesler, Polly 

Moran e Karen Morley"

Foto de autoria desconhecida.
Jefferson Del Rios, "Ourinhos:  memórias de uma cidade paulista" (1972). 
Eitor Martins, Minha vida, minha história 

Um comentário:

Cristina Souza disse...

Embora com qualidade técnica ruim, as pessoas sabiam selecionar a essência dos filmes. Fico imaginando Ourinhos naquela época, o cinema era o grande entretenimento e ponto de encontro. Parabéns por mais essa interessante matéria.