28.9.13

OS COMÍCIOS - O COMÍCIO DE CARVALHO PINTO EM OURINHOS (1958)




A palavra comício vem do latim "comitiu" , significando assembléia popular.
Na primeira metade do século XX, o comício como um ato público no qual os candidatos às eleições  expunham a sua proposta de governo, foi a forma preferida para a propaganda eleitoral. 
O advento da televisão provocou a morte dos comícios eleitorais. Hoje, quando muito eles se fazem nas capitais, para o   encerramento de uma campanha.
Por incrível que pareça,  num pais do tamanho do Brasil, cidades de pequeno porte, como a Ourinhos dos anos 1940 e 1950, recebiam a visita de candidatos à presidência da República!
Foi o caso do brigadeiro Eduardo Gomes, candidato da União Democrática Nacional - UDN, que tinha uma razoável representatividade em Ourinhos,  nela esteve durante a campanha presidencial de 1950. Foi fotografado num comício realizado na confluência da Altino Arantes com a Praça Melo Peixoto. Também Juarez Távora (UDN) esteve em Ourinhos nas eleições de 1955, realizando um comício com a presença do governador de São Paulo, Jânio Quadros.
O local preferido para a realização de comícios passou a ser uma outra extremidade da praça, aquela que fazia confluência com a Rua Paraná.
É o local que vemos  nesta foto, durante a campanha eleitoral de 1958 para a escolha de governador de estado.
Nessa confluência, em frente a atual Casas Pernambucanas, na época a agência do Banco Comercial do Estado de São Paulo, postava-se um caminhão, em cima do qual, ficava o candidato e os correligionários da cidade.
O candidato era Carlos Alberto de Carvalho Pinto, apoiado pela coligação PDC, UDN, PTN e PSB, que foi eleito com um total de 1.312.017 votos, derrotando os outros dois candidatos, Ademar de Barros  (PSP) e Auro de Moura Andrade (PST). 
O símbolo da campanha foi um pintinho amarelo sob um fundo azul. O pintinho se contrapunha ao galo velho (Ademar).
Foi lançada em outubro de 1958, uma marcha que fez sucesso no Carnaval de 1959: "PINTINHO AMARELINHO", de Pires e Joca, cantada pela dupla Palmeira e Biá, em comemoração da vitória de Carvalho Pinto. 
A marcha pode ser ouvida no YOU TUBE  no endereço abaixo: 
Foto por Francisco de Almeida Lopes.

21.9.13

A MISSA DE DOMINGO NO NOVO TEMPLO



Domingo de céu aberto, o belo céu da minha terra natal. Sol pleno e já castigando.
Saíamos da missa de domingo no novo templo ainda sem acabamento, mas já sendo utilizado para casamento e missas. 
A "igreja velha" lá na praça ia,  aos poucos, perdendo o seu status.
O mato crescia no entorno da praça que não era praça.
O chão de terra era o paraíso dos garotos que lá jogavam bete alta e bolinha de vidro.
Na foto por Francisco de Almeida Lopes: José Carlos e a mãe Amélia, dona Olívia uma vizinha da Rio de Janeiro, com a filha Rosa Maria

CANTIGA, por Dalva M. Ferreira em http://poesiasecasos.blogspot.com.br/



Existe dentro de mim 
uma pessoa diferente 
bem melhor e bem mais crente 

uma esperança teimosa 
e o amor a todas as coisas

telhados velhos, janelas
e a tranquilidade da aldeia 

o amanhecer, passarinhos 
e o rio sereno e as pessoas

Talvez exista uma viola, 
e uma cantiga de amigo, 
no mundo, dentro de mim. 

15.9.13

UMA AVENTURA CONDUZIDA PELA LOCOMOTIVA A DIESEL G12 1113




No final dos  anos 1940, a locomotiva a diesel passou a substituir as locomotivas a vapor (o "trem de ferro"), em escala mundial.
No Brasil, a substituição começou a se dar nos anos 1950. 
O modelo mais famoso nesse período foi a G12, fabricado pela General Motors, nos EUA.
No final da década de 1950, ela já estava sendo utilizada pela Rede de Viação Paraná-Santa Catarina (RVPSC), no trecho Ourinhos-Cianorte.
A foto nos mostra a G12 1113 prestes deixar Ourinhos para uma viagem de inspeção do superintendente do distrito correspondente ao norte do Paraná, Benedito Monteiro.
Meu pai achava-se em férias e foi convidado por Monteiro (casado com uma prima de papai, Tomyres Devienne e  meu padrinho de crisma) para fazer-lhe companhia. 
Monteiro levou consigo um dos filhos, Paulo Roberto.
Assim, deixamos Ourinhos num vagão especial que continha banheiro, sala de jantar, cozinha  e sala de estar.
Ao centro da foto está meu pai, à direita o condutor da locomotiva, eu e o srº Manuel, o cozinheiro.
Fomos parando em diversas estações. À noite, sempre que possível, após o jantar  íamos ao cinema da cidade visitada
Foi uma semana inesquecível para o garoto José Carlos, então com 10 anos.

7.9.13

DOCUMENTÁRIO SOBRE AS ORIGENS DA FAPI.



Um documentário muito bem feito que resgata a memória dessa importante feira tão querida dos ourinhenses.
Aos 21:51 vemos meu pai ( com a máquina a tiracolo) numa foto ao lado do Pimentel e do deputado Cunha Bueno.

 Produção Paraleromundo Audio Visual - Direção José 
Luiz Martins

A ALTINO ARANTES E OS DESFILES DE SETE DE SETEMBRO








Cerca de 20 anos separam essas duas fotos.
Ambas foram feitas no mesmo local: a confluência da Avenida Altino Arantes com a atual Rua Antonio Carlos Mori, que parece ter sido um dos preferidos por meu pai para os desfiles de 7 de Setembro.
Aliás essa artéria da cidade acabou sendo o local onde os desfiles se iniciavam, sendo assim uma das mais fotografadas da história da cidade.
A primeira, de finais dos anos 1930, mostra o barro que tomava conta das ruas de uma cidade sem calçamento. 
Em ambas as fotos, o destaque urbano é a casa da família do construtor Henrique Tocalino bem na esquina, onde hoje há um edifício (ela sobreviveu até os anos 1980).
Naquele quarteirão eram poucas as casas ainda.
Algumas crianças podem ser identificadas: Lucia Prado, Pedrinho Abujamra, Hélio Migliari.
A segunda, de meados dos anos 1950, já vemos uma Altino Arantes pavimentada e o quarteirão entre Cardoso Ribeiro e Antonio Carlos Mori tomado por residências, onde se destacam dois sobrados que ainda existem, embora desfigurados.
O primeiro, logo após a casa dos Tocalino, é o mais bonito da cidade, dentre os mais antigos,  e nessa época uma ala era ocupada pela família do drº Bessa.
O segundo pertencia a Alberto Fernandes Grilo, tendo sido construído no início dos anos 1940.
Vê-se o belo ipê amarelo que enfeitava o jardim da última residência daquele trecho, e também  o arvoredo da casa do drº Hermelino Agnes de Leão e a cúpula da torre da SAE.
Na casa de Henrique Tocalino, se destaca  o coqueiro da Bahia ainda em fase de crescimento.
Temos já um desfile melhor organizado. Alunos com uniformes especiais para a ocasião.
Uma baliza está à frente, seguida pelo porta bandeira, Luciano Correia da Silva. São alunos e alunas do Colégio Estadual e Escola Normal "Horácio Soares".
Fotos por Francisco de Almeida Lopes.

Aproveito a data para parabenizar a família Farah por mais um aniversário do decano entre os jornais da cidade - a "Folha de Ourinhos".
As irmãs Farah, apesar de sacrifícios e contratempos, não esmoreceram, levando adiante  a obra de Miguel Farah.
Orgulho-me de fazer parte dessa luta há 12 anos.