Pular para o conteúdo principal

O CINE OURINHOS

No início dos anos 1940, a população de Ourinhos, em franco crescimento, ansiava pela construção de uma nova casa de um novo cinema. O prédio do antigo Cine Teatro  Cassino, que havia, sido adquirido pelo empresário botucatuense Emílio Pedutti, já não oferecia mais condição de oferecer um bom espetáculo para os espectadores.
No dia 10 de agosto de 1942, estiveram  na cidade o empresário Pedutti, o engenheiro construtor Adolfo Dinucci e o mestre de obras Thomaz Lopes para darem início à construção de um novo prédio, com a colocação da primeira estaca no terreno para esse fim. Essa cerimônia teve início às 9  horas da manhã, contando com a presença dp prefeito drº Hermelino de Leão, Cândido Barbosa Filho, coletor federal, Waldomiro Eusébio de Camargo, coletor  estadual, João Mori, drº Jaime de Almeida Pinto, advogado da empresa Pedutti, Salvador Torres, acadêmico de direito. Silvano Chiaradia, gerente do Banco Frances e Italiano para a América do Sul e Romeu Silva, gerente do Cine Teatro Cassino.
Esse prédio, prestes a ser tornar septuagenário, foi adquirido pela prefeitura e nele instalado o Teatro Municipal de Ourinhos na gestão do prefeito Esperidião Cury, ato que simbolizava o cuidado com o patrimônio  histórico da cidade. 
Cabe destacar, ainda,  que o mestre de obras Thomas Lopes acabou se radicando em Ourinhos, tendo sido também o responsável pelas  obras de edificação da nova Igreja Matriz, hoje Catedral do Senhor Bom Jesus. Com isso  a cidade ganhou  um  grande mestre na sua arte e um tenor que encantou os ouvidos de  muitos ourinhenses ao longo de quase trinta anos ao lado de Carolina Mella Ribeiro, a saudosa dona Cali.  Coincidências da vida.
(Fonte das informações - "A Voz do Povo", 15/8/1942)
A foto, por Francisco de Almeida Lopes, nos mostra o prédio do Cine Ourinhos no final dos anos 1940. Um detalhe, podem ser vistas as antigas árvores existentes naquele trecho da rua 9 de Julho,naquela época, exemplares de jacarandá mimoso, creio.      

Comentários

Moacir disse…
Ontem como hoje, este trabalho de preservação da memória de um lugar, como fez muito bem o Sr. Francisco, depois de um certo tempo é tomada por quem o faz como uma missão, uma coisa que quando se começa não tem como parar. É o que hoje faço aqui em Cambé e penso que no futuro meu trabalho deve ser muito mais valorizado do que é hoje. Uma coisa que sempre atrapalha neste processo de reconhecimento é a política, pois por causa dela, quando mostramos alguma coisa pública, na ideia da maioria estamos tomando um lado: ou somos situação e oposição e nem sempre se percebe que o que fazemos é por nossa conta e não para atender a interesse de um ou de outro. Por este motivo o trabalho de registro de uma história passa a ser reconhecido melhor quando o tempo passar e este trabalho for assistido fora de um contexto político. Parabéns por este espaço e pela iniciativa de mostrar hoje o caminho percorrido pela cidade para chegar até o hoje como ele é.
Marão disse…
Muitas saudades. Ao lado, era a "tipografia", estou certo?
Marão disse…
Muitas saudades! Ao lado, a "tipografia", estou certo?
Roberto Ribeiro da Silva disse…
Ninguém mais do que José Carlos Neves Lopes demonstra maior amor pela cidade de Ourinhos. Isso deverá ser publicamente reconhecido, um dia. Estas fotos, e principalmente estes comentários, mostram claramente seu respeito, admiração e até devoção pelos nossos antepassados ourinhenses. Apenas me permito uma correção: a Dona Cali chamava-se Carolina Mella Ribeiro.
Obrigado, amigo.
José Carlos
Sim, era tipografia.
Abs
José Carlos
Meu caro Roberto, suas palavras me emocionaram, obrigado.
Desculpe-me a incorreção, já fiz o devido acerto.
Um grande abraço.
José Carlos
Anônimo disse…
Como é a primeira vez que escrevo aqui gostaria de iniciar meu comentário parabenizando o site. Acho o site apresenta um boa organização de textos e fotos. Parabéns!!! Desejo vida longa a esse brilhante trabalho.

Não sou de Ourinhos mas estudei nessa cidade e tem sido muito útil e interessante conhecer o passado de Ourinhos. Considero Ourinhos como minha 2ª casa.

Vendo a foto acima surgiu-me uma dúvida: o antigo Cine Ourinhos é uma construção Art Decó?

Obrigado por quem responder.
Amigo, obrigado pela visita e elogios. Nesta publicação você pode apreciar melhor a fachada do Cine Ourinhos e tirar suas conclusões. A meu ver a fachada tem algo de Deco, embora sua influência já havia passado.
Abraço.
José Carlos
Aqui o endereço da foto:
http://ourinhos.blogspot.com.br/2012/04/o-cine-ourinhos.html
Anônimo disse…
Comparando as duas fotos se não for Art Déco pelo menos há uma influência nítida desse estilo.

Eu posso dar sugestão? Por que você não cria uma seção de antes e depois com as fotos? Eu acho que valorizaria ainda mais o site.

Até mais

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…