Pular para o conteúdo principal

MEMÓRIAS DE UMA ANDÁ AÇU



Olá! Eu sou uma das Anda-açu que existem na Praça Melo Peixoto.

O professor José Carlos já falou a meu respeito pelas páginas da “Folha de Ourinhos”. Gostei muito do que ele escreveu certa ocasião dizendo que sou a mais bonita entre todas as minhas irmãs que se encontram na Praça.

Somos originárias do Brasil, e nossa presença se faz sentir principalmente nas regiões litorâneas. Os frutos que produzimos têm funções medicinais, e a nossa madeira é usada na fabricação de palitos. Isso significa que não produzimos tão somente uma boa sombra. Como somos muito populares, temos muitas denominações: anda, anda-guacu, andacu-joanesia, anda-assu, andaz, boleita, castanha-de-arara, coco-de gentio, coco-de-purga, conanda-acu, cotieira, fruta-de-arara, fruta-de-cotia, fruta-de-papagaio, fruta-de-purga, inda-acu, inda-guacu, indai-acu, noz-de-bugre, paulista, purga-de-cavalo, purga-de-gentio, purga-paulista.

Quem nos terá trazido para Ourinhos? Infelizmente não sabemos quem foi nosso padrinho Somente temos uma certeza: estamos na praça desde os finais dos anos 1920. Com certeza já somos octogenárias, portanto.

Essa foto, que o professor encontrou no arquivo de seu pai Francisco de Almeida Lopes, é de 1932. Nela se acham soldados que integraram o Batalhão Teopompo, criado em Ourinhos por ocasião da Revolução de 1932. A foto foi tirada por um dos mais antigos fotógrafos da cidade, o alemão Frederico Hahn. Nela, os soldados posaram em frente ao antigo coreto de 1927. Nessa ocasião, 1932, o senhor Frederico ainda não havia se mudado para Ourinhos, ele achava-se estabelecido em Chavantes, onde tinha o Photo Victoria, denominação que o fotógrafo manteve quando mudou-se para a nossa cidade.

O professor José Carlos, ao observar atentamente a foto, verificou que eu estou nela, e tratou de digitalizá-la com destaque para mim. Que maravilha! Eu apareço então no frescor da minha adolescência, ostentando os meus primeiros galhos.

É bom sabermos que fazemos parte da história dessa cidade que tanto amamos. O que nos entristece é ver que estamos envelhecendo sem ter deixado sucessoras. Nenhuma outra Anda-açu foi mais plantada nessa velha Praça. E quando morrermos? Restarão apenas algumas fotos do nosso passado?

Não está certo. Por que a Prefeitura não vai atrás de mudas e as planta na Praça. Se isso ocorrer vamos ficar muito felizes, e tenham a certeza de que zelaremos muito por essas crianças.

Até outro dia.

Comentários

Leyla disse…
Sensibilidade,amor as tradições,à cidade de Ourinhos...parabens,amigo
Antônio Ferreira Batista comentou:

José Carlos, bôa noite!

Excelente reportagem sobre a andá açu existente na praça Melo Peixoto de Ourinhos. Parabens!.

Abraços
Ferreira
Jefferson Del rios escreveu:
Primo

Belo e antigo andá-açu (ou seria no feminino?)
De vez em quando derrubava uma bolota em nossas cabeças adolescentes. Era divertido.
Vamos, sim, escrever à Prefeitura para que providencie outras mudas (e trate melhor a praça).
Seria interessante se fosse plantada, também, uma Guaraiuva, arvore imponente que deu nome à estaçãozinha da Sorocabana entre Ourinhos e Assis (hoje desativada).
Parabéns, uma vez mais, vez pelo precioso arquivo fotográfico do seu pai, tio Francisco, que voce coloca à disposição de todos nós.
Jefferson

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…