Pular para o conteúdo principal

A FAMÍLIA FERRARI

1-Lino, Nilo, Genny e Alba Ferrari
2-Ítalo, Lino,Alba com Genny no colo (29-3-1931) Clique sobre as fotos












Segundo relata meu primo Jefferson Del Rios em “Ourinhos – Memórias de uma cidade paulista”, Ítalo Ferrari chegou a Ourinhos em 1915, já casado com Hermínia Crivelari. Nascido em Pievi di Saco, norte da Itália, veio para o Brasil juntamente com os pais e sete irmãos, em 1906. A família trabalhou, inicialmente, na lavoura, em Sertãozinho. Posteriormente, vindo para a região da Sorocabana, iniciou-se no negócio de bebidas em Ipauçu. O primeiro estabelecimento comercial montado por Ítalo, em Ourinhos, foi um bar na Jacinto Sá. Posteriormente, montou outro na rua Paraná já com uma fábrica de Guaraná (Ceci) e representação da cerveja Antártica.
Em 1930, a marca do guaraná foi mudada para Ivoran, em homenagem ao filho Ivo. Consumi esse guaraná quando criança.
A indústria diversificou-se nos anos 1940 com a produção de aguardente. Surgia uma marca que ficou famosa no interior paulista e atravessou fronteiras – a Caninha Oncinha.
Ítalo construiu uma nova casa para a família, na rua Nove de Julho, e os negócios passaram a ser conduzidos pelos filhos Nilo, Ivo e Lino.
A esposa de Ítalo era irmã de João Batista Crivelari, que foi casado com Isaíra Saladini. O casal manteve um salão de beleza famoso – o “Salão Isaira”, até os anos 1960, na Antonio Carlos Mori, próximo do GRO.
Ítalo e Hermínia tiveram também duas filhas, Alba e Geny. Alba, a primogênita, foi casada com Antônio Dias Ferraz, que foi colega de meu pai na São Paulo-Paraná. Foram nossos vizinhos na rua Rio de Janeiro. Alba era uma doceira “de mão cheia”, como se dizia antigamente. Fazia bolos artisticamente confeitados para aniversários e casamentos. O seu licor de jaboticaba foi o melhor que já tomei até hoje. Terá deixado a receita? . Geny ingressou numa irmandade religiosa, tornando-se freira.
A família Ferrari tinha uma “veia musical” acentuada. O filho Lino organizou um conjunto musical que, por muitos anos, abrilhantou bailes no GRO, principalmente os de Carnaval. O “crooner” desse conjunto era um primo de mamãe, de Cambará, José Teixeira (Zezinho). Os filhos de Alba também tocavam nesse conjunto, e a tradição continuou com a participação deles e um dos filhos de Nilo numa orquestra de jazz da cidade.
Italo foi um dos fundadores do Clube Atlético Ourinhense.
Com o passar dos anos, Nilo tornou-se o esteio da indústria de bebidas localizada na avenida Jacinto Sá. Ele, um dos principais industriais da cidade, tem participado com a esposa Luisa Moya de inúmeras atividades beneméritas na cidade.
Graças a ele, Ourinhos pode prestar as homenagens devidas ao padre Eduardo Murante, responsável pela construção da nova Igreja Matriz. Após a morte do sacerdote, Nilo deu-lhe uma última morada decente no cemitério local. Mais tarde reuniu, num único túmulo, ex-sacerdotes de Ourinhos: Eduardo, Felipe, Ruy e o monsenhor Violante.
O filho mais velho de Nilo, Nildo dá continuidade à ação benemérita paterna.
A foto nos mostra o casal Ferrari e os filhos.

Comentários

Anônimo disse…
minha familia e de gralha mais passou tbem por essa regiao meu avo é mario ferrari casado com josefina michelin ferrari gostaria de saber mais
.
Anônimo disse…
meu avo é vergilio ferrari
Malu disse…
Boa Noite!
Sou descendente de Italianos da parte do meu Pai, estou a procura de alguém da familia de Domingos Ferrari ou(Domenico) casou-se com Ana Venera Pernna, tiveram os filhos Catharina Ferrari natural de Avaré(que casou-se com José Machado da Cruz), Francisco, Sebastiao, Carmo e Imaculada.
Se alguèm faz parte dessa familia me contatem por gentileza é muito importante, obrigada
e-mail mariluciacruz61@gmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

O CINQUENTENÁRIO DA TURMA DE DEBUTANTES DE 1966 DO GRÊMIO RECREATIVO DE OURINHOS

A edição de 3 de setembro de 1966 do jornal O Progresso de Ourinhos saiu com a capa em cores, sendo praticamente dedicada a reportagens sobre as debutantes de 1966 do Grêmio Recreativo de Ourinhos. Na capa, a manchete foi:


Alice Chiarato, Ana Cristina Paula Lima, Aparecida de Oliveira, Cleide Prioli Gaudêncio, Cleonice das Graças Teixeira, Déa Maria dos Reis, Eloisa de Azevedo, Guacyra Maria Ferrari, Mariângela Baccili Zanoto, Mariângela Cury, Maria Ângela Pinheiro, Maria Dilza de Freitas Faria, Maria Silvia Bueno de Campos, Sílvia Nicolosi Correia, Silza Saccheli Santos







Nas páginas seguintes, as debutantes de 1966 foram entrevistadas sobre algumas de suas preferências e aspirações. Cada uma das debutantes tiveram sua foto publicada no topo da entrevista





O ator  preferido das adolescentes foi, de longe,  Rock Hudson, seguido por Alain Delon; já quanto ao cantor a preferência foi por Agnaldo Rayol.
Rock Hudson
À pergunta sobre a vocação foram citadas: engenharia química, psicologia, música, …

LIBERTO RESTA (1914-1984), O CHEFE DO ESCRITÓRIO DA SANBRA

Nessa foto de autoria de meu pai,vemos Liberto e Ditinho acompanhados por Arlindo (trabalhava na seção pessoal da Sanbra) no acordeão e Robertinho (trabalhava na Coletoria Estadual), por ocasião de uma homenagem a Ourinhos no programa televisivo de Homero Silva, no final dos anos 1960.

Nesta foto vemos o casal Liberto e Ynira, a filha Rosa Maria, Ivone Duarte de Souza, esposa do gerente da Sanbra José Fernandes de Souza e a filha Cristina por volta de finais dos anos 1950.

Os dois anos e meio em que trabalhei na Sanbra foram marcantes para mim Muitos dos empregados da fábrica e do escritório tornaram-se um paradigma para minha vida profissional ao longo de 50 anos. Um deles foi Liberto Resta. Ingressei com 15 anos no escritório, na condição de aprendiz. Liberto era o chefe do escritório.
Foi o responsável pla formação da primeira equipe do escritório da Sabra em Ourinhos.
Na foto abaixo vemos Liberto juntamente com alguns empregados do escritório e da fábrica, no ínicio dos anos 1950.
Aga…

DE VOLTA PARA O PASSADO: 1961, AS TORRES DA IGREJA MATRIZ DO SENHOR BOM JESUS

À esquerda padre Domingos Trivi, à direita padre Eduardo Murante

Nesta edição comemorativa dos sessenta nos do mais antigo jornal de Ourinhos, a "Folha de Ourinhos", nada melhor do que um assunto próximo às origens do semanário veterano. Numa das últimas visitas que fiz ao nosso  saudoso  amigo drº Antonio Ferreira Batista, que foi gerente do Banco do Estado de São Paulo - Banespa entre os anos de 1950 e 1960, quando comentei algo sobre o Padre Domingos Trivi, o srº Ferreira contou-me que havia sugerido a esse pároco uma grande ação para que a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus tivesse finalmente suas torres concluídas. Desde os finais dos anos 1940, quermesses, leilões de prendas e outras ações por parte dos paroquianos tornaram possível a edificação da nova Igreja Matriz.  
Concluída na parte interna, embora ainda sem um acabamento mais fino,  já nos primeiros anos da década de 1950, cerimônias foram sendo realizadas no novo templo. 
Era necessário, então, a finalização de sua f…