29.7.08

DOIS MOMENTOS DA VELHA PRAÇA.


DOIS MOMENTOS DA VELHA PRAÇA.

Com a foto de dois ângulos da já octagenária Praça Melo Peixoto, inicio a publicação de um álbum feito pelo Foto Vitória, do fotógrafo Sakai, denominado Lembrança de Ourinhos . Trata-se de um pequeno álbum contendo fotos de 14 locais de Ourinhos, em finais dos anos 1940. Analisando-as, não creio que todas sejam de autoria do Sakai, então recém instalado na cidade. Algumas parece-me tê-las visto nos caprichados álbuns com fotos de Ourinhos que meu pai organizara e que, com a eclosão da Doença de Alzheimer acabou desmanchando. Isso feito, muitas fotos acabaram sendo emprestadas/doadas a amigos, Como era um colaborador tanto do Sakai como do Machado, pode ter cedido algumas para a organização desse pequeno álbum.
Bem, a praça ainda apresentava o trabalho paisagístico que lhe havia sido dado pela reforma empreendida pelo prefeito Benedito Camargo, em 1937. As árvores haviam crescido e se tornado frondosas e outras haviam sido plantadas. Com o calçamento de alguns passeios, bancos de alvenaria foram doados por moradores e empresas locais.
Na primeira foto, vemos em destaque o tanque de água com a Casa Zanotto e o Banco Brasilerio para a América do Sul ao fundo. Dois garotos, vindos do Grupão, atravessam esse trecho da praça.
A segunda foto foi feita exatamente do mesmo ângulo de uma antiga foto de meu pai do início dos anos 1930. Nela vemos ao fundo o mais antigo hotel da cidade - o Hotel Comercial. Empregados da prefeitura estão relizando obras na praça. Moradores, sentados em bancos, "jogam conversa fora". Note-se que alguns dos antigos bancos de madeira ainda se faziam presentes.
Esse belo pequeno álbum foi-me doado pela amiga Edde Galvão, companheira de trabalho de meu pai, na Rede de Viação Paraná-Santa Catarina.
Nele há a seguinte dedicatória:


"À Prima Edde, com votos de felicidades pela passagem de seu aniversário, oferece o primo que muito a estima. Hélio Ourinhos, 20-11-1950."


Hélio Leal era filho do gerente do Banco Brasileiro para a América do Sul, Joaquim Miguel Leal e dona Belarmina Souza Leal, que completará 100 anos, no próximo 15 de novembro.

20.7.08

AMIZADE



São seis amigos que um dia resolveram registrar a amizade que os unia fazendo essa foto, no estúdio do Sakai, creio.
Embora distantes fisicamente, alguns deles ainda se falam.

São eles ex-alunos do IEHS:

Homero João ( filho do dono do Bar Central )

Ourival Vaqueiro Bicca (filho do comandante do Tiro de Guerra)

Joaquim Bessa

Paulo Aurelio Vivan dos Santos (que faleceu recentemente)

Sentados

José Carlos Marão

Carlos Ostronoff

E VIVA A AMIZADE !

5.7.08

MEMÓRIAS DE 1932




Nas guerras e revoluções, o serviço voluntário na área de enfermagem é muito importante. A região de Ourinhos e adjacências foram palco de ações militares durante a Revolução de 1932, daí ter-se formado um grupo de senhoras e senhoritas voluntárias para o atendimento aos feridos.

"Depois, travou-se a luta armada, militarmente desigual, na qual se engajou como simples soldado raso, num batalhão que levava o seu nome impoluto, sob o comando do Cel. Pedro Dias de Campos, para combater o inimigo na Frente Sul, nas trincheiras de Ourinhos, Itahi, Fartura, Bernardino de Campos, Xavantes, Ipaussu e Noutras Localidades do setor do Paranapanema até a melancólica deposição do fuzil, em fins de setembro, coroado pelas agruras do cárcere, só amenizada pela calorosa solidariedade de seus colegas de Promotoria."


Trecho de biografia de Ibrahim de Almeida Nobre, por Emeric Lévay - Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo e Professor Titular de Direito Processual Penal da Universidade Presbiteriana Mackenzie e acadêmico da Academia Paulista de História.
Vemos aqui o grupo de voluntárias, juntamente com alguns soldados, posando para uma foto na "Casa do Soldado ", no antigo Rink de patinação.
Nos anos 1930, a patinação foi muito difundida em Ourinhos. Meu pai foi um ás dessa modalidade.
Seria bom identificar as pessoas que estão nesse grupo. A foto que tenho não traz nomes. Das senhoras e senhoritas, a quinta, na fileira de trás, da esquerda para a direita, com certeza é uma das jovens Zaki Abucham.
Provavelmente esteja nessa foto a professora Adelaide Pedroso Racannello, grande educadora que alfabetizou inúmeros Ourinhenses, eu inclusive (foi minha professora no 1º ano, no Grupo Escolar Jacinto Ferreira de Sá). Na época, as melhores professoras eram disputadíssimas. Em minha casa, foi motivo de muita alegria eu ter ficado na classe da professora Adelaide.
Nascida em São Roque, veio para Ourinhos em 1925 juntamente com sua família. Eram vários irmãos e irmãs, muitos dos quais dedicados à educação. Casou com Graciano Racanello, comerciante, proprietário na época da famosa "Casa das Foices". Tiveram um filho, o drº Alston Pedroso Racanello, já falecido.
Foto: Arquivo de Francisco Almeida Lopes

2.7.08

MINHAS MEMÓRIAS DO CINEMA


Este artigo foi escrito para a edição nº 11 do informativo do Grupo de Estudos Videoclube Lume - Ourinhos - Julho 2008
Clique na imagem para poder ler o artigo.